Pages

Subscribe:

07 janeiro, 2010

Receita de uma adúltera


Pegue a Madame Bovary e misture com a Luísa (O Primo Basílio). Bata bem e adicione a Madame de Rênal (O Vermelho e o Negro). Bata mais um pouco até ficar uma massa bem dissimulada e fogosa. Ponha uma pitada de Capitu, a gosto. Leve ao forno e deixe dorar.
Pronto! Sua Manon Lescaut está no ponto!

Ela é a heroína da obra História do Cavaleiro de Grieux e de Manon Lescaut ou só Manon Lescaut, heroína daquelas que você termina o livro odiando. No entanto, seu caráter e suas ações são responsáveis pelos momentos mais cativantes do livro que, definitivamente, é uma história de amor, paixão e sofrimento, das mais intensas que já se escreveu. O autor é um abade francês do século XVIII, chamado Prévost. Ótimo!
É daquelas histórias com as quais você se irrita e se indigna o tempo todo mas que não consegue largar.


Leituras:
Madame Bovary, Gustave Flaubert
O primo Basílio, Eça de Queirós

6 comentários:

L.F. Riesemberg disse...

Muito bom seu blog. Já estou a segui-lo! Bj!

Mi Müller disse...

Báh adorei teu blog Lívia!! GReader e link pra ti jááááá!! Essa receita ai tá batuta demais!
estrelinhas coloridas...

Cláudia Charão disse...

rsss olha ótima dica, além da "receita".

Boa semana!

Marco Caetano disse...

Uma prespectiva engraçada!

Parabéns :)

adriel disse...

Olá, obrigado pela indicação. Eu só conheço a "Madame Bovary", "O vermelho e o negro" está na minha estante faz tempinho, um dia desses será escolhido. Deve ser "curioso" a visão de um abade sobre uma adúltera. Creio que eu não seria imune de um pré-julgamento ao ler o livro que me colocaria numa posição de ironia ao "nobre abade", de modo que no final eu poderia sentir apreço pela adúltera e desprezo pelo autor ;)

abraços

Lívia disse...

Eu não tinha pensado sob essa perspectiva, Adriel, do autor ter criado uma adúltera sendo um abade, o interessante é que ele não julga ela em nenhum momento.
obrigada pelo comentário =)

Postar um comentário